quarta-feira, março 31, 2010

Pragmatismo

Miguel faz a lista:
- Mãe, você compra todos os carros do "Carros"(o filme) para mim, mais a pista de corrida?

- Mas, amor, comprar tudo isso vai sair muito caro.

- É só você trabalhar, trabalhar, trabalhar, trabalhar...

Então, tá. Muito obrigada.

terça-feira, fevereiro 23, 2010

Ampliando vocabulário

Miguel está na fase de perguntar o significado de tudo. E tentar fazer conexões entre as coisas que acaba de aprender e as que já conhece. Resultado: diálogos impagáveis!!

O último foi sobre livros. Ele me explicava algo sobre uma capa e fiz um comentário sobre capas e contracapas. Ele me pergunta: "O que é capa?"

Eu explico. Ele torna a perguntar: "O que é contracapa?". Eu explico mais uma vez.

E ele, do alto de sua sabedoria, comenta: "Engraçado... nem parece que elas estão brigando..."

(Para distraídos que não entenderam, ele pensou logo em uma capa CONTRA a outra!)

segunda-feira, fevereiro 01, 2010

Um pouco de paz, por favor!

A gente voltava para casa depois de deixar marido no trabalho. Miguel ia tão calado em sua cadeirinha que perguntei:

- Está dormindo, príncipe?
- Não, por quê? responde ele.
- É que você estava tão calado... achei que estava dormindo.
- Eu estou querendo ficar silencioso um pouco, devolve ele, com uma ponta de impaciência na voz.

É isso. Lição para mães que ainda não aprenderam a preservar a privacidade dos filhos... ahn, aos quatro anos.

sexta-feira, novembro 20, 2009

Obrigada, Miguel...

Estava o maior calor (parece estar fazendo 40º em Brasília!) e eu e Miguel esperávamos no carro. Decidi abrir o teto solar. Ventilou um pouco, mas o sol de rachar começou a incomodar. E então decidi fechá-lo.

Aperta botão de um lado, puxa de outro, e nada. Já estava conformada em esperar marido chegar para fechar o treco quando Miguel falou:

- Tem de apertar os dois botões, mãe.

- Quais botões?, perguntei.

- Este e aquele.

Tentei. E o teto solar fechou imediatamente.

Tudo bem, eu sabia que meu filho ia acabar me ensinado como mexer em aparelhos eletrônicos e tal. Afinal, ele é do sexo masculino e uma geração na frente. É praticamente inevitável que isso aconteça. Mas precisava ser com quatro anos?!

segunda-feira, outubro 05, 2009

Uma nuvem pousou em nós

Nós passávamos pela pista do Colorado e um incêndio em uma clareira perto do Lago Norte nos chamou atenção. Apesar de não conseguirmos ver o foco do incêndio, a fumaça branca, bastante espessa, demonstrava que o fogo era forte.

Ficamos observando e especulando o motivo e o local do fogo. Miguel, que nunca perde a oportunidade de participar de uma conversa, palpita:

- Será que foi uma nuvem que pousou, será?

terça-feira, setembro 29, 2009

Teimoso e criativo...

Miguel insiste em chamar zoológico de Izoológico. Não sei de onde ele tirou isso. Mas insiste neste I antes da palavra.
Esses dias íamos buscar o pai dele no aeroporto. E passamos em frente ao zoo. Miguel repetiu o erro. Falou do "izoológico". Mais uma vez eu o corrigi. E ouvi como resposta:

- Então estamos indo ao "eroporto"!
- Como é? - perguntei.
- Se você diz que é zoológico e não izoológico, então estamos indo ao eroporto e não aeroporto...

segunda-feira, setembro 14, 2009

Crítica é herança genética?

Uma dia, conversávamos sobre nomes da família. O nome da avó paterna do Miguel é Emerenciana. Mas todo mundo, inclusive ele, só a tratam por Merença. Então, para Miguel, o nome da avó é Merença e acabou. Tentávamos explicar que era Emerenciana, o Merença era apelido, mas ele continuava irredutível.

Para convencê-lo de outra forma, lembrei que Emerenciana tinha sido um personagem de novela (Emerenciana é a mãe da Cabocla). Ao que ele, na maior ironia possível a um rapazinho de três anos, aparta:

"Emerenciana... Só se for em uma novela de Campos Belos!"

(N.A. Campos Belos é a terra da avó dele, no interior de Goiás)

O pequeno ateu

Miguel entrou no carro depois da aula, revoltado.

- "Ai, não aguento essa escola!"

Surpresa com o desabafo, quero saber por que.

- "Aquela escola acha que é uma igreja, só reza, reza, reza. Todo dia, na hora do lanche, a gente tem de rezar. Está achando que é uma igreja, só pode".

Precisa dizer mais alguma coisa?

A Disney do Obama

Estávamos conversando sobre a Disney - ele anda com vontade de voltar à que conhecemos em Paris. Expliquei que existem duas Disneys, a de Paris e a dos Estados Unidos, muito maior, ainda mais legal, e que vamos conhecer um dia. Ele ficou animado.

Daí ontem em uma nova conversa sobre o tema, Miguel dispara: "Mãe, quando formos à Disney de Barack Obama..."

Pergunto, já impressionada. "Quando formos a qual Disney?"

"À do Barack Obama. Não é a dos Estados Unidos?".

É. E ele bem tá merecendo ir lá, né não?

|